• Aghata Valentim

A idealização de um filho

Desde a concepção, o filho torna- se o bem mais precioso para os pais. Inicia-se o processo de idealização; como será o seu rostinho, se é menina ou menino, a cor dos seus cabelos, a cor dos olhos e principalmente, se o bebe é perfeito. Durante o período gestacional a família se prepara para receber o novo rebento.  A espera do filho porém, não se dá só antes de seu nascimento, mas o acompanha por toda a vida, já que seus pais estão sempre na espera de algo.

A criança vem ao mundo carregando todos os desejos de seus pais e até mesmo suas frustrações. Desde o sexo do bebê, passando pela profissão; gostaria que fosse médica, advogado ou psicóloga, até mesmo a idealização da sexualidade; se desejo que meu filho ao crescer, se case com uma pessoa do sexo oposto. Quando o que planejamos não acontece, sentimos uma certa frustração, não por sermos preconceituosos com outras profissões ou por conta da sexualidade, mas porque idealizamos a vida de um filho antes mesmo dele nascer.

Projetamos todo um caminho, sem nos dar conta de que não é a nossa vida que estamos planejando e sim a de um ser que ainda vai descobrir seus próprios interesses, hábitos e preferências.

Ah, então quer dizer que meu filho, desde pequeno vai decidir o que quer? Como ele vai saber o que é melhor pra ele? Bom, os pais deveriam se preocupar em educar, ensinar valores morais e éticos, construindo um cidadão de bem e ao crescer ele tomará o caminho correto.

Vamos lá! Qual é a causa dos conflitos entre pais e filhos? Não seria o conflito de interesses? O que eu acho que é melhor para o meu filho e o que ele quer? Claro que, enquanto criança, realmente temos que guiar nos caminhos da verdade, do que é correto e certo, mas ao crescer, se tornando adolescente, surge a descoberta de interesses, hábitos, sexualidade e etc. Nesse momento, o filho terá subsídios para escolher o que quer e o que quer ser.

Raramente acontece de ter os mesmos interesses que idealizamos, o que não pode ocorrer, é pressionarmos, fazer com que o filho se torne o que queremos. Precisamos deixar os mesmos criarem autonomia de suas vidas. Não estaremos sempre ali, guiando-os, escolhendo por eles, precisamos que façam suas escolhas sozinhos, precisamos apoiá-los e se não der certo, podemos tentar de novo.

#relacionamentopaisefilhos

1 visualização

CONTATO

REDES SOCIAIS

  • Facebook ícone social
  • Instagram

© 2018 - 2020 por Sua Psicóloga Online